quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Na tua reza

De baixo de uma incomum chuva
Velhos arbustos plantados
Ao lado de novas flores
Silenciavam as orações
E no silêncio de uma tarde
De sexta-feira
O único som era dela

- Você saiu de mim, eu te dei o ar
saiam todos, saiam todos

Trovejava o céu escuro

- serei eu a única a te deixar ir
volte pra dentro meu pequeno, volte

E com as unhas sujas de terra
Cravadas as raízes
Uma mulher se reconstruiu

Um comentário:

  1. Na tua reza, devolvia o filho à Natureza: a única outra mãe digna.

    ResponderExcluir